29 de julho de 2008

Um pouco de música

E, antes de tudo, que fique claro: É O MEU GOSTO!! Se não gostarem, vão chupar umas picas e não me encham, ok?

Bom, agora concentrando no assunto (supletivo, supletivo...), ultimamente ando ouvindo uns sons diferentes dos que eu era habituado na minha época de escola e mesmo no começo do ano passado, então, falarei um pouco dessas bandas que eu ando curtindo, provavelmente divindo em várias postagens.

Para começar, o tipo de som mais estranho e que eu menos esperava achar legal:

Dizem que é ruim. Isso porque não entendem (ou nem se esforçam pra tentar).

Ok, rap nunca foi um estilo condizente com meu jeito de me vestir e agir, mas não como ficar indiferente quando você começa a prestar atenção nas letras. A gente começa a ter uma idéia, de forma bem superficial, claro, de como é a rotina da periferia, seja de onde for.
No caso dos Racionais, é focado na região da periferia de São Paulo, desde a zona leste até "o extremo sul da zona sul".

As músicas contam histórias, não sei se reais ou não, que dão uma idéia razoável de como deve ser viver numa das regiões mais violentas do país. Nelas, os principais alvos de hostilidade são a polícia e os "playboys", juntamente com seus pais.


Dá quase pra sentir a raiva com que ele canta.

Apesar de tudo, esse tipo de rap pode ser considerado como mais "leve". Um exemplo de algo mais forte é o Facção Central que, aliás, fez um show por aqui há umas semanas. Porém, como não ouvi muito o som deles, não comentarei muito mais.


Essa é do tipo que não tem como ouvir e não pensar um pouco.

Aqui em casa, quem manja mais de rap é o Vitão, e acho que ele deveria faer um post pra falar sobre vários grupos um dia desses.

Eu comecei a ouvir o rap mais no embalo mesmo, já que estavam ouvindo muito aqui em casa. Então, parei pra escutar e acabei gostando. Consegui ver (ou não) o que eles tentam alcançar com aquela música, embora eu não siga a ideologia do som e nem tenha passado por nada do que eles cantam, como niguém aqui em casa. Aliás, todos nós que temos condições de estar lendo isso aqui não sabemos bosta nenhuma sobre o que é passar dificuldades, mas, pelo menos a música ajuda a ver que o mundo não é apenas essa pequena distorção gravitacional ao redor do nosso umbigo.

Fica a dica para que ouçamos coisas diferentes, por mais que tenhamos nossos pré-conceitos. Afinal, o primeiro passo para se criticar algo é conhecê-lo.

Pra terminar, embora tenha dito que escreveria sobre bandas, esse caso foi à parte, já que não conheço nada de rap. Então, os próximos posts serão sobre algumas bandas e algumas de suas músicas (obviamente, as minhas favoritas)

Um comentário:

Mrock disse...

De fato, sobre Rap, tive o auge de ouvir no terceiro colegial, mas não acho que a galera que não curte seja por que não entende. Uma parcela é por que não pára rpa ouvir mesmo, preconceito total, outra é por não curtir o som mesmo, as batidas, ainda tem aquelas que criticam as rimas, umas vezes fracas, outras com uso de palavrão pra rimar. Uma infinidade de coisas, mas eu considero absurdo não verem nada de bom num Racionais mesmo, não tanto pelo retrato da périferia ou coisa assim, mas pela qualidade musical mesmo.