6 de setembro de 2009

Michael Morre ataca de novo ...

por Luiz Zanin, Seção: Cinema, Festivais 03:21:55.

O Festival de Veneza pegou fogo com a apresentação de Capitalism – a Love Story (Capitalismo – uma História de Amor), do performático diretor Michael Moore, que concorre ao Leão de Ouro, prêmio máximo da mostra veneziana. Em suas obras anteriores, Moore havia feito críticas pontuais ao seu país, como o direito ilimitado de porte de arma (Tiros em Columbine), os efeitos da paranóia antiterrorista decorrente do 11 de setembro (Fahrenheit 11 de setembro), a saúde privatizada (Sicko). Agora, Moore vai direto ao coração do sistema, para demolir alguns dogmas do capitalismo, como o direito ilimitado de propriedade, a livre concorrência e a auto-regulação dos mercados. Retórico, e com desfecho ao som de uma versão estilizada da Internacional, o filme foi muito aplaudido em sua estreia mundial.

Moore lembra dos males do capitalismo em seu país a partir de uma memória de infância, quando uma fábrica em sua cidade natal, Flint, foi fechada e jogou milhares de trabalhadores no desemprego. Atravessa décadas para se debruçar na recente crise econômica, com a derrocada de gigantes como Lehmanns’s Brothers, a seguradora AIG, a Meryl Lynch, fruto da especulação sem limites que tomou conta do mercado financeiro mundial. Moore ouve financistas e políticos e procura entender o que motivou tamanha crise. Não chega a conclusão técnica alguma, mesmo porque as pessoas não sabem explicar o que aconteceu no mercado financeiro. No entanto, conclui, a verdade parece simples e crist: foi o excesso de cobiça, aliado à ausência de regras, que levou à crise da subprime, que ainda não foi debelada de todo, apesar do gigantesco aporte de divisas do governo norte-americano e de outros países, na tentativa de salvar as instituições bancárias.

À sua maneira desenvolta, Moore tenta entrar nos edifícios de corporações poderosas, como a GM, mas é barrado. A arrogância dos executivos é contrastada com o fato de a tradicional empresa ter ido à falência, varrida pela crise. Moore vai aos poderosos, mas entrevista também muita gente que perdeu suas casas, devoradas pelas hipotecas. E mostra cenas de Nova Orleans depois da passagem do furacão Katrina, se perguntando por que são apenas os pobres atingidos por aquelas catástrofes de não os poderosos do mundo. O discurso, óbvio, é antirrepublicano até a medula.

Lembra que, durante a campanha presidencial, Barak Obama foi chamado de socialista. “Mas quanto mais o acusavam de socialista, mais Obama crescia na preferência do eleitorado”, diz. O filme mostra uma esperança muito grande no governo de Obama, como uma possível nova era para os Estados Unidos. E recorda que um país mais justo é uma antiga aspiração, não de socialistas e comunistas, mas dos melhores políticos do país – em especial o presidente Franklyn Delano Roosevelt que, pouco antes de morrer, em abril de 1945, havia proposto uma nova carta de direitos dos cidadão americanos, que não pôde ver implementada. Esses direitos fundamentais, próprios do welfare state, acabaram vingando mais na Europa do que na América. De acordo com Moore, os assessores técnicos de Roosevelt, que foram à Europa participar da reconstrução do continente destruído pela guerra, lá encontraram terreno mais propício para suas ideias sociais do que em seu próprio país.

Embora termine de maneira provocante ao som da Internacional, Capitalismo – uma História de Amor não se parece em nada a um tratado de ideias marxistas. É uma crítica devastadora ao capitalismo selvagem e ao neoliberalismo. Soa mais como um apelo – ou um panfleto, talez– em prol de um aperfeiçoamento do próprio capitalismo. Um capitalismo com face humana, digamos. Algo que vai ao encontro das ideias de Obama, e de políticos reconvertidos às virtudes de controle do Estado após o tsunami financeiro de 2008.

Fonte

3 de setembro de 2009

22 de agosto de 2009

Comendo bem pra comer melhor ...

Sexta, 21 de agosto de 2009, 09h07

Conheça 14 alimentos e bebidas que podem aumentar a libido
Patricia Zwipp

Quando o assunto é sexo, vale de tudo um pouco para melhorar a sua qualidade e aumentar o prazer. A criatividade se liberta em meio a fantasias, brinquedinhos, posições diferenciadas. E entre as apostas também estão alguns alimentos e bebidas tidos como afrodisíacos, que prometem deixar a diversão entre quatro paredes ainda mais picante.
Muito já se falou e escreveu sobre o assunto, mas, afinal, alguns alimentos e bebidas podem mesmo despertar o desejo? A nutricionista Alessandra Paula Nunes, professora do curso de nutrição de Centro Universitário São Camilo, conta que há estudos que indicam a relação entre determinadas iguarias e a vida sexual mais prazerosa, mas enfatiza que não são conclusivos e ainda pedem novas investigações.

"Segundo as pesquisas, podem exercer diversas ações no metabolismo, como aumentar a circulação sanguínea, atuar no sistema nervoso central e aumentar a produção dos hormônios sexuais, alterando a libido, aumentando a sensação de prazer, o tempo de ereção e a lubrificação vaginal.", explica.

Também existe a possibilidade de o aspecto e o aroma somar pontos na hora dos contorcionismos na cama. "Frutas com perfume doce, por exemplo, podem influenciar no desejo, despertando sensações que interferem na liberação de certos hormônios sexuais. Baunilha, curry e gengibre têm a mesma ação", fala a nutricionista.

Quem nunca ouviu comentários de que ovo de codorna, catuaba e amendoim são responsáveis por verdadeiros milagres para os homens? Pois bem, a professora do Centro Universitário São Camilo ressalta que não há comprovações científicas que atestem essa aclamada eficácia.

Lista
Confira abaixo 14 produtos que já foram relacionados à maior potência do desejo em alguns estudos. Mas nem pense em comprar todos e se empanturrar. Em alguns casos, podem causar alergias. "A verdade é que consumi-los uma única vez não terá o poder de aumentar o apetite sexual e também não existe um tempo ideal para isso, tudo depende da resposta de cada organismo ao alimento." A nutricionista lembra que o campo sexual, assim como qualquer outro aspecto da vida, funciona melhor quando há uma dieta balanceada. Portanto, comer com moderação deve ser também considerado como um ato para lá de afrodisíaco, não?

Açafrão: A especiaria vermelho-alaranjada foi relacionada ao aumento dos batimentos cardíacos e do suor, sinais de excitação sexual.

Alho: Usado contra a obstrução dos vasos, pode ajudar a melhorar o fluxo do sangue e a prolongar a ereção. Devido ao aumento da circulação, há a possibilidade de aumentar a lubrificação da mulher.

Aspargo: Considerado afrodisíaco por conter vitamina B3 (promove dilatação dos vasos sanguíneos), pode ter a capacidade de prolongar a ereção e aumentar a lubrificação da mulher.

Banana: Rica em magnésio, a fruta é importante por promover a vasodilatação e aumentar o desempenho sexual, além de auxiliar na produção de serotonina, que provoca a sensação de felicidade.

Café: Por ser rico em cafeína, possui interessante ação estimulante. Pessoas hipertensas devem consumi-lo moderadamente, com a orientação de um nutricionista.

Chocolate: Além de possuir propriedades estimulantes, o chocolate aumenta a produção de serotonina, que dá sensação de prazer e felicidade. Esses efeitos têm sido relacionados com a presença da feniletilamina, que é capaz de estimular o hipotálamo, induzindo a sensações agradáveis.

Especiarias: O cravo, a noz moscada, o ginseng, a canela e a mostarda, por exemplo, podem provocar o aumento da secreção de lubrificante vaginal e da produção de testosterona no homem.

Frutos do mar: Os alimentos vindos do mar, principalmente as ostras, são ricos em zinco. O mineral tem importante função na fabricação de secreções, como a da lubrificação feminina. Além disso, ajuda no tratamento de infertilidade do homem, por aumentar a contagem e a mobilidade dos espermatozóides.

Guaraná: Conta com substâncias estimulantes, em particular a cafeína, assim como grande quantidade de taninos. Pela presença de xantinas, atua sobre a circulação (vasodilatação) e também no sistema nervoso central, levando a uma liberação espontânea prolongada de calor, tanto no homem quanto na mulher.

Gengibre: Devido à sua ação estimulante do sangue, a raiz pode ajudar a prolongar a função erétil e a estimular a lubrificação feminina.

Maca peruana: Conhecida também como Ginseng dos Andes ou Viagra dos Incas, pode melhorar o fluxo sanguíneo na zona pélvica de homens e mulheres. Há indícios de possuir a capacidade de promover a mobilidade dos espermatozóides e do volume seminal, auxiliando no tratamento de infertilidade.

Oleaginosas: A arginina e a vitamina B3 presente nessas frutas (como castanhas, nozes, amêndoas e avelãs) promovem a vasodilatação, o que aumentaria a libido.

Pimenta Cayenna: Conhecido como agente excitante por poder estimular a circulação, assim como os alimentos picantes em geral.

Vinho tinto: Pesquisa recente da Universidade de Florença, na Itália, afirma que pode haver uma relação entre o consumo moderado de vinho tinto e o aumento da libido feminina. Foram analisadas 798 mulheres, entre 18 e 50 anos, e constatou-se que o grupo que apresentou os maiores índices de desejo sexual foi o que consumia uma ou duas taças de vinho por dia.

Fonte. (ah, o site foi indicação da Celeste) ....

17 de agosto de 2009

4 de agosto de 2009

Long time no see

Muito tempo que não posto nada por aqui...

Bom, aqui vão dois videozinhos pra ver se animo um pouco



3 de agosto de 2009

Vamos falar de música?

Fala Xiguela!!!

Decidi ocupar esse meu interminável ócio apresentando músicos consagrados mundo afora. E pra começar, ninguém melhor q o cara q mais entende de lingerie nesse mundo: Wando.

Deliciem-se!

2 de agosto de 2009

31 de julho de 2009

Concordo quase 100%

Quinta-feira, 30 Julho, 2009

'Sexo deixa a vida mais gostosa'

Hoje é o Dia do Orgasmo e a coluna preparou uma entrevista exclusiva e picante com a Rainha de Bateria da Vila Isabel, Gracyanne Barbosa, abrindo sua intimidade. A mulher do cantor Belo conta que sabe onde é o seu Ponto G, que sexo é 80% da relação e que é possível ter mais de um orgasmo na mesma transa.

Quais os passos para a mulher ter orgasmo?

Primeiro, ela precisa conhecer o seu corpo. Saber o que ela gosta e como ela gosta. Para ela poder indicar ao parceiro. Tem que se tocar, se olhar no espelho. E ela tem que ir para o encontro já pensando na transa.

Que conselho você dá para as gordinhas?

Tem que se aceitar. Na cama, o homem não está nem aí para a celulite e a barriguinha. Ele não vê nada. Tem que parar com essa neurose e se entregar. Nada de apagar a luz totalmente. Na hora do tesão, não importa estar acima do peso.

Você já teve orgasmos?

Já tive, sim. Aliás, é possível ter mais de um numa mesma transa. Eu sou uma prova disso.

Existe o Ponto G?

Lógico que existe! Tanto que já achei o meu. Mulheres, procurem o seu já!

Que dicas você dá para as mulheres apimentarem o sexo?

Frequentem sex shops. Sempre dá uma esquentada. Se não conseguir chegar ao orgasmo na transa, compre uns brinquedinhos. Se não conseguir chegar lá de uma maneira, será de outra.

Sexo é 50% do relacionamento para você?

Pra mim, sexo é bem mais que isso. Eu arriscaria 80%.

Você e o Belo costumam ir a motel?

Claro. Acho bacana para dar uma mudada no sexo. Mas não combinamos de ir. É sempre surpresa.

Você usa fantasias?

Sim. O básico é a lingerie para mim. Eu tenho várias. E as fantasias e o striptease têm o seu momento certo. Tanto para eu fazer, quanto para o Belo fazer.

Na cama, você prefere dominar ou ser dominada?

Curto as duas coisas. Sexo deixa a vida mais gostosa, né?

E o dia de hoje?

Vou curtir muito o maridão.


Fonte

29 de julho de 2009

Mas que beleza !!!

Terça-feira, 28 Julho, 2009

'Princesa Devassa' abre o jogo

Em entrevista no lançamento da sua 'Playboy' ontem, a ex-BB Priscila Pires falou do seu assunto preferido: sexo. Sem pudor, a gata se declarou uma adepta apaixonada do sexo anal. "Acho uma delícia", entregou a morena, que foi além: "Acho sexo fundamental, não existe melhor remédio para brigas".

No ensaio, intitulado "Princesa Devassa", Pri posa com dez homens pelados, num cenário que reproduz o de um filme pornô. "Eram dez homens lindos me levantando e me despindo. Isso mexe com as fantasias femininas", conta ela, que disse que não se sentiu excitada com a situação porque tinha muita gente em volta, mas depois.... "Eu ficava depois, quando ia ver o resultado".
Pri também explicou o piercing genital que usou com a sigla BBB: "B de Boninho (diretor do reality show), de Bial e de Brasil". Nas bancas terça.




Fonte confiavel ...

28 de julho de 2009

Bomba de leite moça

Falae Xiguela!!!!

Quebrando o meu jejum de postagens, venho com um vídeo de um cara que tomou bomba e descobriu q não se deu tão bem assim... Imagina o q vai acontecer c o pau dele! huaheuae

21 de julho de 2009

8 de julho de 2009

Atletas deveriam beber cerveja todo dia, diz estudo

Além de matar a sede e relaxar, a cerveja ajuda na recuperação após a prática esportiva. A afirmação é do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) da Espanha, que apresentou um estudo defendendo o consumo moderado da cerveja para os atletas como fonte de hidratação diária.

O estudo "Idoneidade da cerveja na recuperação do metabolismo dos desportistas", apresentado nesta terça-feira (7), foi baseado em relatórios e pesquisas de especialistas em medicina, fisiologia e nutrição da Universidade de Granada com o aval do CSIC.

Segundo o documento, os componentes da cerveja ajudam na recuperação do metabolismo hormonal e imunológico depois da prática desportiva de alto rendimento e também favorece a prevenção de dores musculares.

A tese é defendida pelo cardiologista e ex- jogador de basquete da seleção espanhola, Juan Antonio Corbalán, medalha de prata nas Olimpíadas de Los Angeles (1984).

O estudo foi realizado em dois anos e recomenda o consumo de três tulipas de 200 ml de cerveja (ou de 20 g a 24 g de álcool) para homens e duas para mulheres (10 g a 12 g) por dia; volume que os autores do relatório definem como moderada.

Cerveja ou suco de laranja

De acordo com os pesquisadores, a cerveja contém 95% de água e é a bebida alcoólica com menor gradação (5% em média). Uma tulipa de 200 ml possui 90 calorias, o mesmo que um copo de suco de laranja.

Para chegar a essa conclusão de consumo na dieta de desportistas, os cientistas fizeram pesquisas com 16 atletas universitários com idades entre 20 e 30 anos, em boa forma física e que alcançavam uma velocidade aeróbica máxima (VAM) de 14 km/h.

Além disso, todos deveriam ser consumidores habituais e moderados de cerveja, manter uma dieta mediterrânea, não ter hábitos tóxicos nem antecedentes familiares de alcoolismo.

Os testes foram feitos durante três semanas em baterias diárias de uma hora de corrida, sob calor de 35ºC, 60% de umidade relativa e duas horas de pausa para hidratação.

Nesse intervalo os atletas bebiam água ou cerveja (máximo de 660 ml), alternando as bebidas em cada pausa de hidratação para comparar resultados.

"Tão boa quanto água"

A conclusão foi que a cerveja permitia recuperar as perdas hídricas e as alterações do metabolismo tão bem quanto a água.

Os cientistas usaram parâmetros indicativos como: composição corporal, inflamatórios, imunológicos, endocrinometabólicos e psicocognitivos (coordenação, atenção, campo visual, tempos de percepção-reação, entre outros) para comprovar que o álcool não afetava a atividade de hidratação.

O estudo destaca ainda que a cerveja contém substratos metabólicos que substituem algumas substâncias perdidas durante o exercício físico como aminoácidos, minerais, vitaminas e antioxidantes.

Mas apesar desta defesa do consumo da cerveja, os pesquisadores espanhóis afirmam que o consumo nunca deve passar da moderação, porque o excesso de álcool não se metaboliza e, por isso, afeta o sistema nervoso central.

No caso dos desportistas a recomendação do relatório é beber durante as refeições. Nunca momentos antes de praticar exercícios nem logo depois.

O intervalo indicado para a cervejinha da hidratação é de duas horas antes ou depois de suar.


Fonte

5 de julho de 2009

30 de junho de 2009

Todo mundo se protegendo ...

Study: Fellatio may significantly decrease the risk of breast cancer in women

Thursday, October 2, 2003 Posted: 9:19 AM EDT (1319 GMT)

(AP) -- Women who perform the act of fellatio and swallow semen on a regular basis, one to two times a week, may reduce their risk of breast cancer by up to 40 percent, a North Carolina State University study found.

Doctors had never suspected a link between the act of fellatio and breast cancer, but new research being performed at North Carolina State University is starting to suggest that there could be an important link between the two.

In a study of over 15,000 women suspected of having performed regular fellatio and swallowed the ejaculatory fluid, over the past ten years, the researchers found that those actually having performed the act regularly, one to two times a week, had a lower occurrence of breast cancer than those who had not. There was no increased risk, however, for those who did not regularly perform.


Fonte.

Uhulllll ...

Filme dos Smurfs será exibido em 3D

Longa dos seres azuis chega às telas no final de 2010


29/06/2009

Marcelo Hessel

A Sony Pictures Animation decidiu lançar o longa-metragem dos Smurfs em 3D. O misto de computação gráfica e live-action, baseado na criação de 1958 do cartunista belga Pierre "Peyo" Culliford (1928-1992), terá nos EUA, apropriadamente, o título Smurfs 3D.

O roteiro de David Stem e David Weiss, dupla de Shrek 2 e 3, conta a origem dos seres azuis e do mago Gargamel, bem como sua obsessão com a Sopa de Smurfs e os segredos de seu castelo. Colin Brady (que já trabalhou como animador e designer de personagens para a Pixar) dirige.

Um pouco atrasado para comemorar os 50 anos dos Smurfs, o longa chega aos cinemas dos EUA em 17 de dezembro de 2010. No Brasil, um pouco depois: 31 de dezembro.

Fonte.

19 de junho de 2009

Obama ninja

17 de junho de 2009

Como Ele deve ser tratado???

"[Sarney] tem história no Brasil suficiente para que não seja tratado como se fosse uma pessoa comum" (Lula)

15 de junho de 2009

Livros para download

Pessoalmente, sou a favor a partir do instante em que nenhuma das partes (uploader e downloader) tenha lucro com o material. Então, como já vi que esse não é o intuito do site que estou passando e sei que niguém que baixar lucrará com isso, divirtam-se!!


livrosparatodos

14 de junho de 2009

Russia's got talent



Depois dessa, Susan Boyle é passado

12 de junho de 2009

Download de filmes, CDs, DVDs e livros para uso privado não é crime

Leia é importante este esclarecimento: http://www.conjur.com.br/2007-ago-20/download_filmes_livros_uso_privado_nao_crime

Consultor Jurídico

Notícias do mundo ...

12/06/2009 - 12h52

Estrangeiro é processado por matar formiga na Arábia Saudita

EFE
No Cairo
Um cidadão saudita denunciou um estrangeiro de origem árabe, de nacionalidade desconhecida, por matar uma formiga, o que é considerado crime pelas doutrinas islâmicas, informou hoje o jornal "Al-Hayat".

Segundo o jornal, para apoiar sua denúncia, o saudita citou vários versículos do Corão, nos quais o profeta Maomé proíbe que se mate formigas.

"O estrangeiro, que trabalha no mercado da cidade, amassou a formiga com violência e sem nenhuma compaixão, o que é proibido pelo Islã", segundo as informações do jornal.

O juiz, que aceitou a denúncia, ainda não tomou nenhuma decisão, por considerar que é "a primeira vez" que um caso como esse é registrado.

Relato dos acontecimentos na USP ...

Segue o depoimento do Prof. Dr. Pablo Ortellado, que narra em primeira pessoa a situação e demonstra a gravidade dos fatos:
“Hoje, as associações de funcionários, estudantes e professores haviam
deliberado por uma manifestação em frente à reitoria. A manifestação,
que eu presenciei, foi completamente pacífica. Depois, as organizações
de funcionários e estudantes saíram em passeata para o portão 1 para
repudiar a presença da polícia do campus. Embora a Adusp não tivesse
aderido a essa manifestação, eu, individualmente, a acompanhei para
presenciar os fatos que, a essa altura, já se anunciavam. Os estudantes
e funcionários chegaram ao portão 1 e ficaram cara a cara com os
policiais militares, na altura da avenida Alvarenga. Houve as palavras
de ordem usuais dos sindicatos contra a presença da polícia e
xingamentos mais ou menos espontâneos por parte dos manifestantes.
Estimo cerca de 1200 pessoas nesta manifestação.

Nesta altura, saí da manifestação, porque se iniciava assembléia dos
docentes da USP que seria realizada no prédio da História/ Geografia. No
decorrer da assembléia, chegaram relatos que a tropa de choque havia
agredido os estudantes e funcionários e que se iniciava um tumulto de
grandes proporções. A assembléia foi suspensa e saímos para o
estacionamento e descemos as escadas que dão para a avenida Luciano
Gualberto para ver o que estava acontecendo. Quando chegamos na altura
do gramado, havia uma multidão de centenas de pessoas, a maioria
estudantes correndo e a tropa de choque avançando e lançando bombas de
concusão (falsamente chamadas de “efeito moral” porque soltam estilhaços
e machucam bastante) e de gás lacrimogêneo. A multidão subiu correndo
até o prédio da História/ Geografia, onde a assembléia havia sido
interrompida e começou a chover bombas no estacionamento e entrada do
prédio (mais ou menos em frente à lanchonete e entrada das rampas).
Sentimos um cheiro forte de gás lacrimogêneo e dezenas de nossos colegas
começaram a passar mal devido aos efeitos do gás – lembro da professora
Graziela, do professor Thomás, do professor Alessandro Soares, do
professor Cogiolla, do professor Jorge Machado e da professora Lizete
todos com os olhos inchados e vermelhos e tontos pelo efeito do gás. A
multidão de cerca de 400 ou 500 pessoas ficou acuada neste edifício
cercada pela polícia e 4 helicópteros. O clima era de pânico. Durante
cerca de uma hora, pelo menos, se ouviu a explosão de bombas e o cheiro
de gás invadia o prédio. Depois de uma tensão que parecia infinita,
recebemos notícia que um pequeno grupo havia conseguido conversar com o
chefe da tropa e persuadido de recuar. Neste momento, também, os
estudantes no meio de um grande tumulto haviam conseguido fazer uma
pequena assembléia de umas 200 pessoas (todas as outras dispersas e em
pânico) e deliberado descer até o gramado (para fazer uma assembléia
mais organizada). Neste momento, recebi notícia que meu colega Thomás
Haddad havia descido até a reitoria para pedir bom senso ao chefe da
tropa e foi recebido com gás de pimenta e passava muito mal. Ele estava
na sede da Adusp se recuperando.

Durante a espera infinita no pátio da História, os relatos de agressões
se multiplicavam. Escutei que a diretoria do Sintusp foi presa de
maneira completamente arbitrária e vi vários estudantes que haviam sido
espancados ou se machucado com as bombas de concusão (inclusive meu
colega, professor Jorge Machado). Escutei relato de pelo menos três
professores que tentaram mediar o conflito e foram agredidos. Na sede da
Adusp, soube, por meio do relato de uma professora da TO que chegou cedo
ao hospital que pelo menos dois estudantes e um funcionário haviam sido
feridos. Dois colegas subiram lá agora há pouco (por volta das 7 e meia)
e tiveram a entrada barrada – os seguranças não deixavam ninguém entrar
e nenhum funcionário podia dar qualquer informação. Uma outra delegação
de professores foi ao 93o DP para ver quantas pessoas haviam sido
presas. A informação incompleta que recebo até agora é que dois
funcionários do Sintusp foram presos – mas escutei relatos de primeira
pessoa de que haveria mais presos.

A situação, agora, é de aparente tranquilidade. Há uma assembléia de
professores que se reuniu novamente na História e estou indo para lá. A
situação é gravíssima. Hoje me envergonho da nossa universidade ser
dirigida por uma reitora que, alertada dos riscos (eu mesmo a alertei em
reunião na última sexta-feira) , autorizou que essa barbárie acontecesse
num campus universitário. Estou cercado de colegas que estão chocados
com a omissão da reitora. Na minha opinião, se a comunidade acadêmica
não se mobilizar diante desses fatos gravíssimos, que atentam contra o
diálogo, o bom senso e a liberdade de pensamento e ação, não sei mais.

Por favor, se acharem necessário, reenviem esse relato a quem julgarem
que é conveniente.

Cordialmente,

Prof. Dr. Pablo Ortellado
Escola de Artes, Ciências e Humanidades
Universidade de São Paulo”

11 de junho de 2009

Novo conceito em jogabilidade



Depois dessa, o Wii já era...

9 de junho de 2009

The real thing

8 de junho de 2009

Uhullll ....

Antonio Banderas revela detalhes sobre filme do Gato de Botas

Puss in Boots será história de origem do felino

07/06/2009
Érico Borgo


Entrevistado pelo ComingSoon, Antonio Banderas confirmou que Puss in Boots, o filme do Gato-de-Botas de Shrek, será uma história de origem.

"Veremos ele desde gatinho até tornar-se o assassino felino que conhecemos e as razões que o colocaram nesse caminho. É diferente dos filmes de Shrek, tem um tom mais épico, emocional", comentou o ator e dublador, que disse que o roteiro que leu está sendo trabalhado há três anos, "é incrível", e que a DreamWorks quer acertar com o filme, para não prejudicar a franquia.

Tom Wheeler estreou como escritor no cinema com o bichano espadachim. A estreia do filme deve ocorrer depois do lançamento de Shrek Forever After, o quarto filme da série, previsto para sair em 21 de maio de 2010.

Leia nossa entrevista com o dublador do gato em inglês, Antonio Banderas, aqui.

Fonte.

19 de maio de 2009

Fino Trato ...

segunda-feira, 18 de maio de 2009, 16:54

Woody Allen ganha US$5 mi em ação por uso de sua imagem

A grife American Apparel usou imagem de Allen em 'Noivo Neurótico, Noiva Nervosa' para comercial


O cineasta Woody Allen

Reuters

O cineasta Woody Allen

NOVA YORK - A empresa American Apparel fechou um acordo extrajudicial por US$ 5 milhões para encerrar a ação movida por Woody Allen pelo uso indevido da imagem dele em anúncios da empresa, disse Allen nesta segunda-feira, 18, quando a ação estava prestes de ir a julgamento.

 

O cineasta processou a empresa de roupas mais de um ano atrás, quando sua imagem apareceu em outdoors em Nova York e Los Angeles. Allen disse que sua reputação foi prejudicada e que a imagem tirada de seu filme Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, que o mostra vestido como judeu hassídico, foi usada sem sua autorização. 


Allen, 73 anos, que afirma não vender sua imagem para lucro comercial nos EUA, disse que os depoimentos revelaram que a American Apparel pensava que o medo de publicidade o impediria de ir à Justiça. 

Uma das maiores fabricantes de roupas dos EUA, a American Apparel já publicou anúncios controversos no passado que incluíram jovens de pouca roupa em poses provocantes. Seu fundador, Dov Charney, foi processado por várias ex-funcionárias por assédio sexual. 

Charney disse que teve a idéia de usar a imagem de Allen em abril de 2007, quando assistia a uma sequência de sonhos do filme Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, feito por Woody Allen em 1977. Na época, disse Charney, ele estava angustiado devido às ações por assédio sexual movidas contra ele. 

Charney, 40 anos, disse que sentiu afinidade com o personagem de Allen, que estava sendo negativamente retratado no filme, e também por Woody Allen na vida real, que também esteve envolvido em escândalos sexuais. 

A ação numa corte federal ameaçou ficar mais pessoal depois que a ex-namorada de Allen, a atriz Mia Farrow, e a mulher dele, Soon-Yi Previn, apareceram numa lista de testemunhas. 

Woody Allen se envolveu num escândalo público em 1992, quando Mia Farrow descobriu que ele estava tendo um caso com a filha adotiva dela de 22 anos, Soon-Yi. Allen se casou com Soon-Yi em 1997. 

"As ameaças e vazamentos à imprensa pela American Apparel, que visavam me difamar, não funcionaram, e o esquema de convocar uma longa lista de testemunhas que não tinham absolutamente nada a ver com o caso também foi desautorizado", disse. 

Woody Allen, que na ação que moveu contra a empresa pedira mais de 10 milhões de dólares, disse que poderia ter recebido mais se tivesse levado o caso ao tribunal, "mas não é assim que ganho a vida", falou.


Fonte aqui.

14 de maio de 2009

Cuidado com sua espada Emo ...

14/05/2009 - 09h48

Homem morre durante briga com espadas samurai em Hortolândia (SP)

Colaboração para a Folha Online

Um homem de 35 anos morreu na madrugada de quarta-feira (13) após brigar com outro usando espadas samurai no bairro Jardim São Bento, em Hortolândia (109 km de São Paulo). O outro homem ficou ferido.

Segundo informações da SSP (Secretaria de Segurança Pública), uma denúncia anônima relatou uma briga em uma residência localizada na rua Tom Jobim, por volta das 2h30. No local, a Polícia Militar encontrou um homem morto e outro inconsciente, ambos com diversas perfurações no corpo.

O morto foi identificado como Valter Rodrigues da Silva e encaminhado para o IML (Instituto Médico Legal) da cidade. A outra vitima não foi identificada e encaminhada ao Hospital Municipal Mário Covas, onde foi internado. O hospital não informou seu estado de saúde.

De acordo com a SSP, a polícia localizou na residência uma faca e duas espadas samurai sujas de sangue. As armas foram apreendidas, assim como dois celulares e documentos de uma das vítimas. O caso foi registrado no 2º DP da cidade.

2 de maio de 2009

1 de maio de 2009

Carta do Professor Alexandre

A quem possa interessar na UNESP-campus de Franca


Soube, lamentavelmente, que a rede de más-línguas, covardemente na minha ausência, tem tecido intrigas contra a minha pessoa, então, escrevo para esclarecer a quem interessar, para que mentiras ou sugestões maldosas não tomem corpo.
A minha ausência no corrente semestre deve-se a lesões decorrentes de um evento criminoso (roubo armado com reféns) do qual eu e minha família fomos vítimas. Durante o mesmo, sofri vários golpes, ora por socos, ora por chutes, ora por coronhadas, os quais resultaram em sangramentos, fratura craniana e lesões nas colunas cervical e torácica, à parte de danos psicológicos a todos os vitimados. Assim, minha licença deve-se exclusivamente a tratamento de saúde, o que se comprova por atestados médicos e exames clínicos.
NÃO POSSUO VÍNCULO EMPREGATÍCIO COM NENHUMA OUTRA INSTITUIÇÃO ALÉM DA UNESP. Se o meu nome consta em páginas da Internet de outras instituições, tratam-se de lugares nos quais tive participação esporádica ou anterior à UNESP, e que podem se achar no direito de fazer referência a mim como membro de “corpo docente”, sem mencionar que não existe ou que nunca existiu vínculo. Desta forma, a minha licença NÃO se deve à minha atuação profissional em nenhum outro lugar, mas, novamente e somente, decorre de problemas de saúde.
Tais problemas, em conjunto, levaram-me à decisão que me pareceu a mais correta: o desligamento da orientação dos grupos de pesquisa e extensão dos quais eu participava. Além do período sem poder falar, as lesões na coluna não permitem que eu permaneça mais do que por breves períodos de tempo em uma mesma posição, seja em pé, sentado ou deitado. E a alternativa à dor é uma medicação que me incapacita de concentrar em qualquer coisa. Não estou em busca de piedade ou solidariedade, mas tão somente de que os alunos estejam a par da minha ausência e da impossibilidade de prosseguir com as orientações dos grupos. Se alguém está se aproveitando da situação, cada um tem a sua consciência para escolher agir de forma conveniente e voltada para a intriga –ao invés da maneira correta, honesta e ética.
Da mesma forma, dirijo esta carta aos alunos, também, creio, vítimas dos fuchicos e maldades que, ao que tudo indica, fluem pelo Curso. Não vou detalhar mais o esforço de escrever esta carta, mas vou lembrá-los de que licença para tratamento de saúde é um direito legítimo, o qual pode e já foi utilizado por professores e também alunos -os quais podem justificar ausências em sala e até mesmo solicitar avaliações em circunstâncias especiais, dependendo do caso. Creio que sofrer, comprovado de forma clínica, com dores ininterruptas na estrutura do corpo, com risco de danos ainda maiores, que impossibilitam a locomoção, concentração e comunicação, seja justificativa mais que suficiente.
Não entrarei no mérito, portanto, de acusações absurdas e hiperbólicas sobre eu estar “desestabilizando” o Curso de Relações Internacionais, não apenas por estar sem condições de lecionar e em posse de pleno direito legítimo, mas também pelo fato de eu ter lecionado, por vários semestres, disciplinas para as quais não fui concursado e mais de uma disciplina, pelo bem do Curso, ajudando além do que muitos fizeram. Cada um tem a sua consciência para escolher se o uso da memória é utilizado de forma conveniente e voltada para a intriga –ao invés da maneira correta, honesta e ética. Além disso, há mecanismos institucionais para lidar com casos de licença para tratamento de saúde, e eu alertei à Instituição assim que pude quanto ao meu caso. Desestabilizadora é a acusação em si, além do fato de que, à parte de poucos funcionários, nenhum outro colega docente, nem a Coordenação de Curso, nem a Chefia do Departamento se importarem em sequer perguntar sobre a condição do meu estado de saúde.
Da mesma maneira, é uma questão de consciência, ética e de humanidade –podendo até se tornar em problema de ordem legal- depreciar uma pessoa com a saúde debilitada de maneira covarde e injustificada. É impressionante a capacidade de certas pessoas de colocar a culpa e fazer intriga –com segundas intenções ou não- sobre a vítima e esquecer dos meliantes que causaram os problemas. Tal atitude sugere traços de caráter. Que fique clara a razão da minha ausência e redução das minhas atividades. Que cada um se coloque, ao invés de comentar ou criticar, na posição de mais uma vítima de violência extrema física de um lado e de ataques pessoais por questões de intrigas de outro. E que cada um lide com sua consciência e que pese as conseqüências de seus atos.


Prof. Dr. Alexandre Ratner Rochman

30 de abril de 2009

29 de abril de 2009

Celebridades sem maquiagem ...


Uma Thurma

Sara Jessica Parker

Rachel Dawson

Rachel Weiz

Penelope Cruz

Natalie Portman

Mischa Barton

Kylie Minogue
Kirsten Dunst
Kim Kardashian

Kate Winslet

Jessica Simpson

Jennifer Love Hewit

Jennifer Lopez

Jennifer Garner

Hillary Duff

Gisele Büchen

Courtney Cox Arquette
Claire Danes

Anne Hathaway

Agora a questão é: por que estão sem maquiagem você não pegaria?????
Tem outras celebridades neste site http://www.webzee.com/celebswithoutmakeup/

25 de abril de 2009

24 de abril de 2009

And here we go again...

Funcionários da USP decidem fazer greve a partir de 5 de maio



Os funcionários da USP (Universidade de São Paulo) decidiram nesta quinta-feira (23) fazer greve por tempo indeterminado a partir do dia 5 de maio, caso não tenham as reivindicações atendidas. O Sintusp (Sindicato dos Trabalhadores da USP) realizou uma assembléia no auditório do Departamento de História.

Segundo Magno de Carvalho, diretor de base do sindicato, a greve está condicionada à negociação com o Cruesp (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais de São Paulo). "Se o Cruesp não negociar, já estamos em greve no dia 5. Mas se a negociação não atender às reivindicações, a greve está mantida. Não acredito que o Cruesp atenda a nossa pauta", disse.

Luis Carlos Murauskas/Folha Imagem
Fotos de protesto durante ocupação de 2007, que durou 50 dias

De acordo com o diretor de imprensa do Sintusp, Aníbal Cavali, a principal reivindicação é a incorporação de uma parcela de R$ 200 aos salários e reajuste de 17% na remuneração. "Essa reivindicação engloba os funcionários e professores da USP, Unesp [Universidade Estadual Paulista] e Unicamp [Universidade Estadual de Campinas]", disse.

A pauta de reivindicações dos funcionários é mais ampla e contempla pedidos como a readmissão de Claudionor Brandão, ex-diretor do Sintusp que foi demitido após a ocupação da reitoria da USP (Universidade de São Paulo), ocorrida em 2007; a contratação de mais professores e funcionários para a universidade; a incorporação de funcionários e professores da Faenquil (Faculdade de Engenharia Química de Lorena) à USP; e mais verbas para a educação.

Os estudantes realizam, também nesta quinta-feira às 18h, uma assembléia para decidir se entram em greve. Já os professores decidem se paralisam suas atividades em reunião no dia 29.

Fonte

18 de abril de 2009

Filha do Tinhoso

Pra quem acha que carne faz mal à saúde....

Artigo escrito pelo Draúzio Varella aqui

"A malfalada carne"

Quantas vezes deixei de comer carne porque diziam que era um veneno para o coração! Mais grave, como a maioria dos médicos, durante 20 anos recomendei que meus pacientes fizessem o mesmo, porque os estudos pareciam dar suporte a esse tipo de orientação. O tempo encarregou-se de demonstrar, no entanto, que estávamos errados.
Em outras palavras: até hoje a ciência não conseguiu provar que dietas ricas em gordura animal provoquem ataque cardíaco ou encurtem a duração da vida. Quem foge de um churrasco como o diabo da cruz para poupar o coração pode estar fazendo sacrifício inútil.
A política de convencer a população a cortar carne vermelha da dieta, adotada há 30 anos por diversos países, inclusive pelo Brasil, precisa ser revista. Não apenas por falta de comprovação de suas vantagens, mas pela possibilidade de causar o estrago dos tiros que saem pela culatra: contribuir para engordar a população, como os dados epidemiológicos recentes parecem demonstrar.
Depois da Segunda Guerra, os norte-americanos ficaram surpresos com a alta incidência de infartos em homens de meia-idade e em mulheres na menopausa. Qual seria a explicação para esses casos? Certamente algo que o homem moderno andava fazendo de errado, pensaram logo.
Nos anos 1960, a contracultura atribuía à vida urbana os males que afligiam a humanidade. Muitos pregavam a alimentação vegetariana (sem defensivos químicos, é claro) como essencial à saúde plena. Nessa época, a ciência já havia demonstrado que:
1) a causa do infarto é a obstrução das artérias que irrigam o músculo cardíaco (coronárias), por placas que contêm colesterol;
2) o colesterol possui duas frações: uma delas protetora, outra potencialmente perigosa: o "bom", ou HDL, e o "mau", ou LDL;
3) gorduras saturadas, como as contidas na carne vermelha, no leite, nos queijos e nas frituras, provocam aumento do LDL, o colesterol "ruim". Cortá-las da dieta faz o colesterol cair. Pouco, porém, não mais do que 10%;
4) cerca de metade dos ataques cardíacos ocorrem em pessoas com colesterol normal;
5) o risco de infarto não é o mesmo em todos os países. Finlandeses e escoceses, por exemplo, correm risco maior. Por causa da gordura na dieta, concluíram todos, sem lembrar que, entre os povos do Mediterrâneo, o consumo de gordura animal aumentou nos últimos 30 anos, enquanto a mortalidade por infarto diminuiu proporcionalmente.
Na década de 1980, um estudo da Universidade da Califórnia mostrou que a colestiramina, um dos primeiros medicamentos capazes de reduzir os níveis de colesterol, quando administrado a homens com LDL muito alto, reduzia em 1,6% o número de ataques cardíacos e em 0,4% a mortalidade.
Estavam reunidos os ingredientes para a confusão geral que viria em seguida: se um remédio que abaixa o colesterol reduz a prevalência de ataque cardíaco e se dieta pobre em gordura diminui pelo menos um pouco os níveis de colesterol, então cortar gordura da dieta só pode ser bom para o coração!
Parece lógico, mas não é. Para comprovar que a ação de uma droga tem efeito idêntico ao da retirada de um item da dieta, seria necessário um estudo com centenas de milhares de participantes seguidos por décadas, com rigor. Estima-se que um trabalho desses custasse US$ 1 bilhão, quantia que ninguém teve coragem de investir.
Apesar da inexistência desse estudo decisivo, as autoridades médicas americanas decidiram recomendar à população que reduzisse drasticamente o consumo de gordura animal. Se não fizesse bem para o coração, pelo menos ajudaria a emagrecer, imaginavam: a carne é mais calórica. Realmente, um grama de gordura produz nove calorias, contra quatro produzidas por um grama de açúcar ou de proteína.
A repercussão desse tema na mídia foi tão grande que o colesterol entrou para o repertório popular. Muitos países adotaram a moda americana: cortar gordura animal da dieta de todos, até de crianças pequenas! A oferta de alimentos com baixos teores gordurosos explodiu. Passados trinta anos, o que aconteceu?
Descontadas as pessoas que, por razões genéticas, apresentam LDL muito elevado e, de fato, correm um pouco mais de risco de ataque cardíaco mesmo com aumentos pequenos nesses valores - e por isso precisam comer menos gordura animal -, para as demais, a grande maioria da população, nenhum dos estudos realizados para provar que a ingestão de carne interfere na longevidade teve êxito.
Alguma coisa temos de comer, não é lógico? Se não for carne, será o quê? Como não é fácil substituir o bife do almoço por uma saladinha, sem carne atacamos pães, arroz, macarrão e doces, alimentos ricos em carboidratos, menos calóricos do que a carne, é verdade, mas devorados em quantidades muito maiores, compulsivamente muitas vezes, como se faz com bolos, sanduíches e chocolates.
O caso americano é didático: em 1980, cerca de 40% das calorias ingeridas na dieta vinham da gordura animal. Depois de 20 anos de campanha feroz contra a carne, reduziu-se esse número para 34% no ano 2000. Pela lógica, as pessoas deveriam ter emagrecido, já que cortaram um alimento altamente calórico! O que aconteceu? Em 1980, a obesidade afligia 14% dos americanos, hoje ultrapassou 22%.
Engordar piora o perfil lipídico, aumenta a probabilidade de desenvolver diabetes, de ter pressão alta e de levar vida sedentária. Esses, sim, são fatores que provocam risco de ataques cardíacos, de derrames cerebrais e de morte precoce.
Com exceção da citada minoria de pessoas com níveis muito elevados de LDL, prometer saúde e longevidade a todos os que deixarem de comer carne, sem evidência científica de que isso seja possível, é apenas um dogma. Está na hora de abandoná-lo.

16 de abril de 2009

15 de abril de 2009

Caiu na rede, é peixe.

Por Alexandre Sanches - Publicado em CartaCapital

Na noite do domingo 15, a equipe coordenadora da comunidade Discografias, do site de relacionamentos Orkut, jogou a toalha, decretou o fechamento de suas portas virtuais e apagou por conta própria todo o conteúdo acumulado em quase quatro anos por 920 mil integrantes.

O conteúdo era música, toneladas virtuais de música compartilhadas pelos participantes de modo gratuito. Ou era pirataria, ilegalidade, crime, de acordo com o argumento usado por corporações musicais que pressionavam a população da Discografias a parar de infringir direitos autorais de compositores, músicos, produtores, editoras e gravadoras.

Um aviso ficou no lugar do maior fórum brasileiro de troca de música: “Informamos a todos os membros da comunidade Discografias e relacionadas que encerramos as atividades, devido às ameaças que estamos sofrendo da APCM e outros órgãos de defesa dos direitos autorais”. APCM é a sigla para Associação Antipirataria Cinema e Música, criada há um ano pelas indústrias fonográfica e cinematográfica, e dirigida por um ex-delegado.

Em comunicado oficial, a APCM confirmou que havia meses acompanhava e solicitava a retirada de links. “Já estava claro que a comunidade se dedicava a disponibilizar músicas de forma ilegal, ignorando todos os canais legais de divulgação e uma cadeia produtiva de compositores, autores, cantores, produtores fonográficos, etc.” E acrescentou considerar um “avanço positivo” a exclusão da Discografias.

O episódio é apenas a ponta visível de um fenômeno mundial de enormes proporções, que transformou a internet num admirável mundo novo para usuários, tanto quanto um inferno para os produtores da cultura antes vendida no formato de CDs e DVDs. Por baixo da pequena multidão reunida numa comunidade do Orkut, há proliferação vertiginosa de blogs e outros recursos de internet dedicados majoritariamente a ofertar download instantâneo e gratuito de discos, filmes e livros.

Tudo está disponível ali para ser compartilhado em qualquer lugar do planeta, do recente filme Gomorra a Louco por Você, um disco cuja reedição é vetada há 48 anos por Roberto Carlos. No campo editorial, o Portal Detonando desenvolve o chamado Projeto Democratização da Leitura – Biblioteca Virtual Gratuita, de downloads de livros. “Compartilhar, nesses casos, é o equivalente a disponibilizar, que por sua vez é uma forma de distribuição. Conteúdo protegido por direito autoral só pode ser disponibilizado por seus titulares”, reage o diretor-executivo da APCM, Antonio Borges Filho.

Mas, à diferença do que aconteceu na fase da pirataria física, hoje não é uma máfia ou o crime organizado que desrespeitam os cânones do direito autoral. Os blogueiros, a maioria deles anônima, são em geral colecionadores de discos, DVDs e livros que descobriram nos blogs a chave para participar do processo cultural, compartilhando seus acervos privados com o resto do mundo.

Em grande medida, são cidadãos comuns (médicos, fotógrafos, técnicos de informática, estudantes), desacostumados aos holofotes da mídia e distantes, inclusive geograficamente, dos bastidores do mercado cultural. De cinco blogueiros ouvidos por CartaCapital, todos garantiram não ganhar nenhum centavo (ao contrário, dizem investir dinheiro na atividade). Portanto, não aceitam o termo “pirata” nem se consideram como tal.

Cada blogueiro demonstra construir uma ética própria, e às vezes critica o que considera “errado” no comportamento do vizinho, mas não em seu próprio. “Acho estranho jogar na rede o trabalho de alguém que ficou dez anos sem gravar e agora fez um disco. É sacanagem”, afirma Mauro Caldas, de 44 anos, integrante de banda punk no Rio de Janeiro dos anos 80, que hoje trabalha em informática e é o único dos blogueiros entrevistados a abrir publicamente sua identidade.

Ele usa o codinome Zeca Louro no Loronix, um dos mais atuantes e abrangentes blogs musicais do Brasil. Escrito em inglês, recebe em média 3,2 mil visitas por dia e já foi acessado em 191 países, segundo Caldas. “Loronix só publica o que é antigo, sem nenhuma possibilidade comercial. Essa distinção a indústria sabe fazer muito bem”, diz, para justificar o fato de nunca ter sido incomodado ou ameaçado. Ao contrário: “Gente da indústria vem até mim, pergunta se tenho determinado disco, pede a capa se vai relançar. Eu colaboro”.

Outro blogueiro, autoapelidado Eterno Contestador e especializado em compartilhar CDs que ainda não chegaram às lojas, defende sua atitude. Diz que não distribui nada de maneira ilegal ou pirata, apenas copia links existentes na rede. E insinua que esses são vazados por integrantes da própria indústria, como jogada de marketing.

O produtor musical Pena Schmidt, ex-executivo de gravadoras e atual diretor do Auditório Ibirapuera, tem argumento semelhante: “A indústria sempre deitou e rolou com o vazamento do novo disco do Roberto Carlos ou do Michael Jackson, sempre deu para poder vender. Na época do piano de rolo, Chiquinha Gonzaga e Zequinha de Abreu eram demonstradores de lojas, tocavam para chamar a atenção das pessoas. Gravadora tocava música de graça no rádio por quê? Para vender música”. A diferença é que antes os vazamentos podiam ser controlados e se dirigiam a uns poucos “formadores de opinião”. Hoje, basta uma cópia cair na rede e pronto, a obra é de todo mundo e não é mais de ninguém.

O produtor Marco Mazzola, dono da gravadora MZA, defende a estratégia punitiva: “Medidas radicais devem ser tomadas, punindo, prendendo os que praticam. Você fica três meses dentro de um estúdio criando com o artista um CD, gasta em músicos, estúdios, capa, marketing, e antes de o produto estar no mercado já está na rede”. Schmidt discorda: “A lei não se encontra com a realidade digital. Por causa de 22 pessoas, 50 milhões se transformaram em criminosos? Não é mais fácil refazer a legislação?”

Se as gravadoras se desesperam com a perda de valor do material plástico que as sustentava, nebulosa é a posição dos artistas e criadores. “A indústria alega a defesa do direito dos autores, mas não é verdade, é só discurso. É a defesa de um modelo de negócio. Não sabem fazer de outra maneira e querem que o resto do mundo todo pare”, diz Schmidt. “Autor não fala sobre o assunto, a não ser que seja diretor de sociedade arrecadadora, como Fernando Brant, Ronaldo Bastos, Walter Franco.”

CartaCapital procurou ouvir os três citados, entre outros, mas não obteve respostas. Uma possível razão para o silêncio é dada indiretamente pelos blogueiros. Diz um deles, identificado como Fulano Sicrano: “Meu blog adquiriu notoriedade entre artistas e produtores e, atualmente, uma parte do que é publicado é fornecida por eles próprios, à busca de divulgação”. Fulano é mantenedor do Um Que Tenha, que põe na rede novidades musicais, e, segundo ele, recebe 14 mil visitas diárias. “Embora deseje que seu trabalho tenha o máximo de divulgação possível, o artista teme a indisposição com a gravadora, por isso o sigilo”, afirma.

O blogueiro diz receber também e-mails de gravadoras, produtores e artistas que solicitam a retirada de conteúdo. Afirma atendê-los prontamente. Seja repressor ou legitimador, o contato direto com músicos e outros fãs parece ser uma das recompensas pelas dez ou doze horas semanais dedicadas a blogar discos. “Pelo seu ângulo, pode até ser generosidade. Pelo meu, não. Eu me sinto tão bem publicando o UQT que isso passou a ser um ato de puro egoísmo.”

Zeca Louro também cita a notoriedade adquirida no meio musical: “O máximo que me aconteceu foi um ou dois casos de alguém comercialmente ligado a um artista dizer ‘poxa, seria legal você não ter mais o disco aí’. Imediatamente tirei, mas num dos casos o próprio artista reclamou, pediu para contornar. Tem artista que reclama de não ter nada no blog, pergunta se tenho alguma coisa contra ele. Muitos são avessos à tecnologia, eu ajudo”.

Nos bastidores, poucos admitem praticar pirataria virtual, mas há quem o propague aos quatro ventos, caso de Carlos Eduardo Miranda, produtor de grupos de rock e jurado dos programas de tevê Ídolos e Astros. “Sou fã dos blogs de música, muito mesmo. Sou usuário.” Em guerra retórica com a indústria, devolve aos acusadores as acusações de pirataria, roubo, crime: “Deveriam tomar vergonha na cara, porque estão vendendo a mesma música várias vezes, em vinil, depois em CD, depois em MP3. Já paguei, preciso pagar quantas vezes? Quando vão parar de me roubar? Se o artista se acha importante para a cultura, não pode fazer nada que impeça a circulação, senão ele é criminoso também”.

E desafia: “Compro 40 CDs por mês, poucos compram tanto como eu. Sou um criminoso? Os caras estão brigando com quem os sustentou a vida inteira. Deviam contratar os blogueiros para serem executivos deles”. Miranda antevê soluções futuras para o conflito: “Ninguém mais vai precisar guardar nada, e você vai ter acesso a todas as músicas do mundo. Vai ligar o botão como se fosse rádio e escolher. Que se pague uma mensalidade, como paga água e luz, e o problema vai acabar”.

A APCM confirma a pressão sobre os piratas, mas nega fazer “ameaças”. “Não estamos no campo da repressão, muito menos na área policial”, diz Borges Filho. “Fazemos a solicitação ao provedor, no caso o Google, para a retirada de conteúdo ou links.”

“Não aceitamos pressão da indústria fonográfica”, diz Felix Ximenes, diretor de comunicação local do Google, dono do Orkut e do gerador de blogs Blogger. “Nosso compromisso é com o usuário, com quem buscamos compartilhar responsabilidades.” O Google baseia-se na política de receber denúncias, verificar e tirar do ar se for o caso. “Antes, só tínhamos apagado links que levavam a produtos de copyright. O fechamento da Discografias foi um ato do próprio coordenador, que a desarticulou sob protesto, pelas ameaças da APCM. O Orkut é mais visível, eles preferem ir onde há volume.”

“Nunca recebi nenhum e-mail de censura, ameaças ou coisa parecida”, atesta Augusto TM, do Toque Musical, outro dos blogs recheados de raridades. “Isso se deve, acredito, à minha postura de não levar para o blog coisas que se encontram em catálogo nem fazer negócio, comércio ou propaganda.” No início do ano, o Toque Musical protagonizou comoção ao publicar a gravação caseira de uma sessão feita por João Gilberto em 1958, imediatamente antes da fama.

A fita fora vendida para japoneses e já não era propriedade brasileira, como acontece com todo o relicário musical pertencente às multinacionais do disco. Caiu na rede mundial, e o Toque Musical, com média diária de mil visitantes, foi fechado por algumas semanas. Mas isso ocorreu, segundo o blogueiro, devido a seu próprio temor de alguma reação negativa do cantor. Até hoje João Gilberto não reclamou.

13 de abril de 2009

11 de abril de 2009

Grande Igreja Universal ..



Ah, os créditos são do Vitão que me mostrou esse belo vídeo ... hehehe

8 de abril de 2009

Novas versões dos desenhos da Disney

O melhor:
Pocahoupa




Haxixe no País das Heroínas




Para o Emo:
Mulanba (Putas em fileira).




Mulamba 2 (Me revelar).




Herétules (Não darei não!)




Encarcada (Não há posição que eu nunca fiz!)




Piranha Sereia - Lugar de Dar...




A Bela Entorpecida - Uma vez no Bordel